DEPUTADO DA BAHIA QUER PROIBIR O FOIE GRAS.

em
Foto: Betto Jr./ Ag. Haack/ Bahia Notícias
Sem medo de polêmicas, o deputado estadual Marcell Moraes (PV) quer proibir a venda de foie gras na Bahia. Com o projeto de lei, Moraes entra na mira dos facões de chefs de renomados restaurantes do estado e, claro, de Salvador. Em entrevista ao Bahia Notícias, nesta quinta-feira (6), o parlamentar admitiu ter “pegado a ponga” na lei de São Paulo – que proibiu a venda da iguaria na capital do estado. “O meu mandato é voltado à defesa dos animais e eu tenho que lutar contra essa escravidão. Temos que tirar essa prática abusiva”, decretou. Moraes disse também que nunca comeu o prato, mas que sabe do “método de tortura” que os criadouros usam para engordar o pato até que o seu fígado seja extraído para o consumo. “Isso não é cultura, isso é tortura. Não devemos aceitar que essa barbaridade continue”, argumentou. À frente da cozinha do Amado, o chef Fabrício Lemos discorda do parlamentar. Em conversa com o BN, ele enumerou outras práticas que podem ser consideradas abusivas aos animais, mas não são combatidas.
Fabrício Lemos, Rui Carneiro e Erick Jacquin | Fotos: Divulgação

“Deveríamos proibir o ovo de galinha. Você sabia que ela fica numa posição que suas asas são atrofiadas? E o grande número de abate de animais ilícitos na Bahia? Existe um sofrimento para estes animais. Então, o pato é superalimentado para que seu fígado cresça e seja retirado. Não é justificando o erro com o erro, mas esse pato já nasce para gerar este outro produto”, explicou, ao completar: “Se não fosse para virar foie gras, o pato iria ser sacrificado para outra coisa”. A medida, para Fabrício, tem cunho mais midiático do que de preocupação real com os animais. “Essa preocupação é muito mais midiática do que a consciência da preocupação com o animal. Eu utilizo o foie gras que é feito através de indústrias que fazem a produção de forma lícita e ele é parte cultural de alguns países. Acho que o foie gras agrega mais do que desagrega”, analisou.
Foie gras | Foto: Reprodução/ Huffingtonpost

Chef do restaurante Chez Bernard, Rui Carneiro viu um “lado positivo e negativo” na proposta. “Existem os dois lados da moeda. O método de criação do pato é muito cruel, mas o produto é muito bom. Se tiver de proibir eu vou sentir por não poder trabalhar mais com ele, mas vai ser bom também”, avaliou. Além dos baianos, outros chefs do Brasil também já se posicionaram contra a medida, a exemplo de Erick Jacquin – jurado do reality show Master Chef. “Eu acho que a proibição é absurda. O prefeito [Fernando Hadad] tem muitas outras coisas para fazer do que cuidar dos patos”, afirmou, ao jornal O Globo, quando o prato foi proibido na cidade de São Paulo. O quilo do foie gras custa, hoje, R$ 450 e é vendido em Salvador como entrada. O preço varia de R$ 75 a R$ 90. O projeto de Marcell ainda irá passar pelas comissões temáticas da Assembleia Legislativa da Bahia. Caso seja aprovado, passará pelo crivo do plenário e depois irá para a apreciação do governador Rui Costa.

Fone: Alexandre Galvão
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s